Reel NonSense Filmes. 12 Anos de Design, Computação Gráfica, Filmagens, Stop Motion e muitas, muitas horas de render

Este ano a NonSense Filmes completa 12 anos. Foram mais de mil histórias contadas utilizando as mais variadas técnicas de produção para uma infinidade de clientes em praticamente todos os cantos do mundo. Em 10 anos muita coisa mudou.

Os computadores de ponta na época eram os famigerados Macs G5 com processador PowerPC e seu Final Cut (que já tinha se tornado o queridinho da geração de editores low-end), no 3D imperavam o Maya e o 3Dsmax (que acabava de implementar o seu ótimo plugin CAT Animation que nos ajudou por anos) e as imagens em 1080P estavam acabando de consolidar nas câmeras. A HVX200 era a estrela do momento com seus formatos híbridos de gravação em 480p, 720p e 1080i e claro, com seu modo de gravação “Cinelike” que prometia dar um “que” de cinema as imagens digitais (tão comprimidas nesta época).

A forma de produzir também era bem diferente. Ninguém se importava muito com styleframes, storyboards detalhados e tudo era produzido meio que de repente. Tem um video pra fazer e tem que entregar rápido e sem muita burocracia criativa. O orkut era a rede social que bombava e a NonSense tinha uma vasta participação(rsrsrs) nas comunidades de animação e computação gráfica da “famosa” rede social do google. O e-commerce ainda não era muito difundido, se limitando aos nerds e aos mais corajosos e a onda dos blogs estava começando a aparecer forte como fonte de informação na internet.

Algumas coisas não mudaram muito. O After Effects continua sendo o padrão para produção de motion graphics, o Da Vinci deixou de ser um solução de color correction para telecines, foi parar em qualquer desktop razoavelmente bom e agora é gratuito. O 3Ds Max e o Maya continuam sendo padrão na indústria de computação gráfica 3D, apesar de agora terem o Cinema4D como forte concorrente e agora tudo que se mostra em telas tem a resolução de HDTV 1080P.

E para matar a saudade, segue o portifólio da NonSense Filmes em 2006.

 

 

 

 

 

 

 

Você também pode gostar de:

0 Comments

Leave Your Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*